Poesias, crônicas, contos e dramaturgia escritas por: Geraldo Bernardo, tendo como cenário o sertão, seus personagens e mitos.


Home » » Aparecida

Aparecida

Escrito por : Geraldo Bernardo em sábado, 22 de julho de 2017 | 9:36 AM





Fez de mim gato e sapato.
Riu quando eu lhe escrevi o primeiro poema. Quando fiquei triste e chorei, beijou-me a boca e esfregou os peitos na minha cara, disse que gostava de homem intelectual e que me amava. Porém quando pensei que tudo estava resolvido, passou sorrindo de braço dado com Arnóbio de Mariquinha. Aquilo me deu um ódio.
Desisti daquela doida. Então ela começou a me telefonar, me fazendo crer que estava arrependida e que tudo não tinha passado de uma infantilidade. Passava horas e horas no telefone. Chorava em público quando me via passar. Tudo fingimento, para que as amigas viessem me contar. E eu de besta fui atrás dela. De novo. E levei rasteira, para largar de ser besta.
Foi por isso que comprei a faca.
Quando ela passou no beco por trás da igreja, puxei-a pelos cabelos, lhe tapei a boca, encostei a faca na garganta dela e fui rasgando a roupa, lhe chupei os peitos e disse que ela tinha que me dar.

Depois fiz o que fiz e não estou arrependido.

(Do livro MEU AMIGO PEDRO. Disponível no site: href=" …"><img alt="Compre aqui o livro 'Meu amigo Pedro'")
Compartilhe este artigo :

Postar um comentário

Obrigado!

Video - Vale dos Dinossauros

Arquivo do blog

Receba atualização via E-mail

Seguidores

Facebook

Quem sou eu

Postagens populares

Tempo Agora

Total de visualizações

 
Suporte : Tradução e Edição | Johny Template | Mas Template
Copyright © 2013. Matuto Beradeiro - Todos os direitos reservados
Template Created by Creating Website Published by Mas Template
Tecnologia : Blogger